Seja um membro LRI

Receba notícas em primeira mão assim como ofertas privilegiadas

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
InícioAlimentação industrialDisjuntores: Uma Visão Geral

Disjuntores: Uma Visão Geral

Disjuntores para Proteção: Guia Completo para Engenheiros Eletricistas

Os disjuntores são componentes essenciais em qualquer sistema elétrico, atuando como a primeira linha de defesa contra sobrecargas e curtos-circuitos. A escolha do tipo correto de disjuntor é crucial para garantir a segurança e o bom funcionamento da instalação.

Neste artigo, aprofundaremos nos diversos tipos disponíveis no mercado, explorando suas características, funcionalidades e aplicações específicas. Abordaremos também as normas técnicas relevantes e as melhores práticas para a seleção e instalação destes dispositivos de proteção.

Disjuntores por Número de Pólos

  • Unipolar:
    • Protege um único fio (fase).
    • Ideal para circuitos de iluminação e tomadas monofásicas.
    • Densidade de corrente: 6 A a 63 A.
  • Bipolar:
    • Protege dois fios (fase e neutro).
    • Utilizado em circuitos monofásicos com 220 V.
    • Densidade de corrente: 6 A a 63 A.
  • Tripolar:
    • Protege três fios (fase, neutro e terra).
    • Essencial para circuitos trifásicos.
    • Densidade de corrente: 10 A a 125 A.
  • Tetrapolar:
    • Protege quatro fios (três fases e neutro).
    • Aplicado em sistemas trifásicos com cargas trifásicas.
    • Densidade de corrente: 16 A a 250 A.

Disjuntores por Curva de Disparo

  • Curva B:
    • Disparo rápido para curtos-circuitos.
    • Adequado para cargas indutivas (motores elétricos).
    • Tempo de atuação: 0,02 a 0,1 segundos.
  • Curva C:
    • Disparo menos sensível para curtos-circuitos.
    • Recomendado para cargas resistivas (lâmpadas, chuveiros).
    • Tempo de atuação: 0,1 a 0,5 segundos.
  • Curva D:
    • Disparo muito lento para curtos-circuitos.
    • Reservado para cargas com alta corrente de inrush (transformadores).
    • Tempo de atuação: 0,5 a 1 segundo.

Disjuntores por Tecnologia

  • Disjuntores Termomagnéticos:
    • Combinação de proteção contra sobrecarga (bimetal) e curto-circuito (eletroímã).
    • Opção mais comum e econômica.
    • Aplicados em instalações residenciais e comerciais.
  • Disjuntores Eletrônicos:
    • Maior precisão e confiabilidade na proteção.
    • Monitoramento e controle remoto (em alguns modelos).
    • Mais caros que os disjuntores termomagnéticos.
    • Indicados para aplicações críticas e industriais.

Normas Técnicas

NBR 5410: Instalações Elétricas de Edificações:

  • Define os requisitos para a segurança das instalações elétricas em edificações.
  • Abrange desde projetos e dimensionamentos até a execução e manutenção.
  • Estabelece critérios para a escolha de materiais, dimensionamento de condutores, proteção contra sobrecargas e curtos-circuitos, aterramento e outros aspectos importantes.
  • É a norma mais importante para instalações elétricas no Brasil.

IEC 60898: Disjuntores em miniatura para uso doméstico e similar:

  • Especifica os requisitos para disjuntores em miniatura utilizados em instalações residenciais e comerciais.
  • Define características como capacidade de corrente, tensões de operação, poder de corte, ensaios de desempenho e requisitos de segurança.
  • Garante a qualidade e confiabilidade dos disjuntores disponíveis no mercado.

IEC 60947-2: Disjuntores de baixa tensão:

  • Estabelece os requisitos para disjuntores de baixa tensão (até 1000 V) utilizados em diversos tipos de aplicações.
  • Define características como capacidade de corrente, tensões de operação, poder de corte, ensaios de desempenho, requisitos de construção e de segurança.
  • Abrange disjuntores unipolares, bipolares, tripolares e tetrapolares, além de disjuntores de motor e outros tipos específicos.

Seleção e Instalação:

  • Dimensionamento da corrente nominal:
    • Considerar a corrente máxima do circuito.
    • Consultar a tabela de dimensionamento do fabricante.
  • Escolha da curva de disparo:
    • Analisar o tipo de carga a ser protegida.
    • Consultar as normas técnicas aplicáveis.
  • Instalação por profissional qualificado:
    • Seguir as instruções do fabricante.
    • Atender às normas técnicas de segurança.

Conclusão

A seleção do tipo ideal de disjuntor depende de diversos fatores, como o tipo de instalação, a corrente nominal do circuito e a curva de disparo necessária. A escolha correta garante a segurança das pessoas e dos equipamentos, além de evitar danos à instalação elétrica.

Agradecimento

Esperamos que você tenha gostado deste artigo.

Se você ficou com alguma dúvida ou quer saber mais sobre esse assunto, deixe um comentário no nosso blog ou no nosso fórum de discussões.

Nossa engenharia terá o maior prazer em responder ao seu e-mail as suas perguntas e ajudá-lo a entender melhor esse tema.

Também gostaríamos de saber a sua opinião sobre este texto. Você o achou informativo, didático e envolvente? Você aprendeu algo novo com ele? Você tem alguma sugestão de melhoria ou de outro tópico que você gostaria de ver no nosso blog?

Sua participação é muito importante para nós, pois nos ajuda a melhorar a qualidade dos nossos conteúdos e a atender as suas necessidades e expectativas. Por isso, não deixe de nos enviar o seu feedback.

Agradecemos pela sua leitura e esperamos vê-lo novamente em breve no nosso blog. Até a próxima! 😊

Referências externas:

https://en.wikipedia.org/wiki/Circuit_breaker

Palavras-chave: Disjuntores, Tipos de Disjuntores, Proteção Elétrica, Curva de Disparo, Normas Técnicas, Instalação de Disjuntores.